Professora de SC, que já teve Covid e está imunizada, consegue liminar para não tomar vacina

1
761

Uma professora da rede pública municipal de Gaspar (SC) conseguiu uma liminar na Justiça para não ser obrigada a se vacinar contra a Covid-19. Com a decisão, a professora vai poder voltar a trabalhar presencialmente, sem o risco de ser exonerada. As aulas no município retomaram o sistema presencial em 10 de setembro, mas apenas professores já vacinados poderiam voltar para as salas de aula. O município de Gaspar ainda pode recorrer da decisão.

Segundo decreto municipal de Gaspar, aprovado em agosto deste ano, funcionários públicos que se recusam a se vacinar contra a Covid-19 sem apresentar justificativas médicas podem sofrer diversas sanções, incluindo ter os dias parados descontados dos salários até que se vacinem e voltem ao trabalho. Conforme a medida, a recusa injustificada da vacina poderia levar até a perda do cargo. Diante disso, a professora entrou com um mandado de segurança contra a Secretaria de Educação de Gaspar para suspender a exigência de tomar a vacina, bem como para que pudesse continuar exercendo sua função.

Exames

No processo, a mulher argumentou que realizou um exame laboratorial no início de setembro que apontou a existência de anticorpos contra Covid-19. Segundo ela, isso significaria que ela já está imune ao vírus, e não teria risco de transmitir a doença a outras pessoas. A juíza substituta da 2ª Vara Cível da Comarca de Gaspar, Cibelle Mendes Beltrame, acatou o argumento.

Para a magistrada, o município não teria justificativa para obrigar a professora a se vacinar para obter algo que a mulher já possui, no caso, a imunidade contra o coronavírus. Na decisão, ela questiona a eficácia das vacinas, chamando-as de experimentais, e diz haver muitos relatos sobre possíveis problemas relacionados às substâncias que estão sendo distribuídas à população. “Nas redes sociais e Telegram todos os dias noticiam-se relatos dos mais diversos efeitos adversos, desde síndrome de Guirlan Barre, Trombose ocular, AVC hemorrágico e morte súbita”, argumenta a juíza.

Liberdade Escolha

Além disso, segundo a magistrada, é preciso considerar a liberdade de escolha, principalmente quando esta está embasado no princípio da precaução. Finalmente, ela disse já haver evidências científicas evidenciando que  recuperados de Covid-19 desenvolvem a imunidade “almejada por qualquer vacina”. “Por que não aceitar que as pessoas recuperadas de COVID e que tenham anticorpos desenvolvidos com a doença tenham um passaporte verde, muito maior do que qualquer vacinado que não sabe se efetivamente desenvolveu imunidade ou não?”, questiona a juíza.

Fonte: Gazeta do povo

 

Compartilhar a matéria
TOPO PREFEITURA LOGO
facvest top

1 COMENTÁRIO

  1. O povo precisa acordar, rever suas atitudes, não apenas dizer amém. Excelente matéria, motivadora e servirá para que as pessoas comecem a analisar se realmente estão vivendo em seus municipios uma democracia ou uma ditadura difarçada, em prol de ”um bem maior”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here