Crônica de uma Mãe, criada por uma Mãe Adotiva e Solteira

0
533

Parabéns duas vezes a mulher mais incrível que conheci. MINHA MÃE LEALDINA ANDRADE, conhecida por todos como BONECA, apelido dado em sua juventude pela beleza que calava todos ao seu redor.

Ontem (08-05) ela estaria de aniversário (80 anos), bem no dia das mães. Quando isso acontecia, ela costumava dizer que era para todos terem certeza de que ela era minha mãe, porque o amor dela valia 2 vezes.

Sim Mãezinha, você foi e sempre será minha única mãe, mesmo não tendo o mesmo DNA, porque não é isso que define o amor.

Tenho orgulho de dizer que ela me amou incondicionalmente, e sempre dizia também, que uma mãe do coração tinha uma agravante a mais de amor, porque sempre tinha o medo de perder, quando eu era pequena não entendia “o medo de perder”, com o tempo e a maturidade entendi que como mãe adotiva ela tinha medo de perder meu amor.

Essa mulher foi uma guerreira, uma mulher à frente do seu tempo, o mundo não estava preparado para ela, mais ela se adaptou e ainda teve a coragem de pegar uma criança e criar com tanto amor, como se fosse dela e sozinha, uma mãe adotiva solteira.

Sou grata, por ter o privilégio de conviver com ela por ser amada, por ser resgatada, por crescer feliz e acolhida por um ser iluminado.

Dividir a história

Resolvi dividir minha história com vocês, porque tenho orgulho das minhas raízes, porque hoje sou o que sou, porque ela acreditou em mim, me amou, me educou e me ensinou ser quem sou.

Sempre escolho essa foto, porque nesse dia ela estava feliz ajudando a arrumar minha filha número 3, para a Festa de São João da escola, e ela me disse que tinha muito orgulho de mim, da mulher que eu havia me tornado e choramos abraçadas, mas de felicidade.

Ser Mãe

Hoje sou mãe e sei que não fui a metade do que ela foi, mas ela sempre me dizia que mesmo errando como mãe, foi tentando acertar, que não existe nada perfeito, até mesmo UMA MÃE, apenas seguimos o que é certo e justo e que jamais era para me arrepender de ter tomado algumas decisões, que essas decisões faziam parte do meu e do aprendizado dos meus filhos, que jamais poderia me omitir, que a omissão seria um caminho sem volta.

Hoje sei que muitos não entendem nossas decisões, mas seguimos amando nossos filhos mesmo que com o coração partido de ingratidão.

Ninguém cria filho para ser infeliz, queremos eles sorrindo, tocando suas vidas e só aí saberemos que fizemos um bom trabalho. Foram noites sem dormir, incertezas, dúvidas, questionamentos, mas o desejo sempre foi o mesmo, a FELICIDADE DELES.

A maternidade não é para qualquer mulher, é somente para as corajosas, para as que são capazes de se doar e de desistir dos seus sonhos. Por isso, desejo mesmo que atrasado um Feliz dia das mães, afinal somos mães 365 dias ao ano, mesmo que não lembradas nos 365 do ano.

Parabéns a Minha Mãe de Coração e de Alma.

Compartilhar a matéria

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here