Saúde recomenda cuidados contra o hantavírus vejam os sintomas

0
656

Por conta do aumento na população de roedores silvestres como rato da mata e ratinho do arroz na Serra Catarinense, a Secretaria de Saúde de Lages alerta para a doença transmitida pelos animais: o hantavírus. A equipe da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), Regional de Saúde e representantes das Vigilâncias Epidemiológicas da região da Amures estiveram reunidos nesta terça-feira (13 de setembro) no auditório da Secretaria para tratar do tema.

A hantavirose é uma zoonose viral aguda, cuja infecção em humanos se torna Síndrome Cardiopulmonar por Hantavírus. Os hantavírus possuem como reservatórios naturais alguns roedores silvestres de pelagem avermelhada, cinza ou até cor de terra, que podem eliminar o vírus pela urina, saliva e fezes. Os roedores podem carregar o vírus por toda a vida sem adoecer.

Segundo dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), a doença é marcada por uma alta taxa de letalidade no Estado. Em 2022, até a presente data, foram registrados cinco casos confirmados de hantavirose, e dentre estes, três evoluíram para óbito, o que representa uma letalidade de 60%.

Sintomas do hantavírus

Na fase inicial, a hantavirose apresenta febre, mialgia, dor nas articulações, dor de cabeça, dor lombar, dor abdominal e sintomas gastrointestinais (náuseas, vômitos e diarreia). Esse quadro dura cerca de 1 a 6 dias, podendo prolongar-se por até 15 dias, e depois regredir.

No entanto, quando surge um quadro de tosse seca, a doença pode evoluir para uma fase clínica mais severa, a cardiopulmonar. Na fase cardiopulmonar, os sintomas são: febre, dificuldade de respirar, respiração acelerada, aceleração dos batimentos cardíacos, tosse seca e “pressão baixa”.

 

 

Compartilhar a matéria

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here